Depois do parto, o bebê é levado para o berçário para receber os primeiros cuidados e para que a mãe possa descansar. Essa é uma prática comum, no entanto, uma pesquisa feita por uma universidade sul-africana afirma que isso eleva - e muito - os níveis de estresse do bebê.

Isso porque, de acordo com os pesquisadores, quando são separados das mães e colocados no berço, a frequência cardíaca dos bebês aumenta em até 176%. Para chegar a essa conclusão eles monitoraram os batimentos cardíacos de bebês com até 2 dias de vida. E uma das descobertas (que a gente já suspeitava, claro) é que o contato com a pele da mãe acalma os bebês e ainda influencia na amamentação. “A amamentação na primeira hora de vida estimula a produção de leite e aumenta o vínculo entre mãe e filho”, diz Clery Gallacci, médica responsável pelos berçários setoriais do Hospital e Maternidade Santa Joana(SP).

Mas ainda que esse contato seja importante, a mãe também pode - e deve - descansar. Não é preciso estar ao lado do recém-nascido todo o tempo e vale lembrar, principalmente, que dormir na cama dos pais não é recomendado. “É claro que o bebê prefere o colo da mãe ao berço, mas é muito importante que ele tenha o seu espaço, que durma sozinho, para evitar riscos”, completa Clery.

Fonte: Revista Crescer