Apesar da grande discussão sobre a quantidade de cesáreas desnecessárias, alguns partos por cesárea são realmente necessários e não se podem evitar. Saiba quais os casos onde é preciso ou não fazer cesárea. Mesmo se você imagina ter um parto normal vaginal, é interessante que você leia e aprenda como e porque precisam ser realizados os partos por cesárea, em caso das coisas não saírem como se esperavam.

O que é uma cesárea?

 
É um parto onde é necessário realizar incisões na parede abdominal e no útero da mãe. Geralmente é considerada uma cirurgia segura, porém a cesárea apresenta mais riscos que os partos vaginais, pois oferecem mais riscos de infecção e hemorragia. Além disso, quando o bebê nasce de parto vaginal, a mãe tem uma recuperação mais rápida.

Sempre que possível, vale a pena evitar partos por cesárea. Este tipo de parto serve para ajudar as mulheres em partos de alto risco a evitar complicações e podem salvar a vida da mãe e bebê em situações de emergência.esperavam.

Quando deverão ser realizados partos por cesárea?

Alguns partos por cesárea já se planejam com antecipação se o médico detecta alguns fatores que significam riscos em um parto vaginal. Isto quer dizer que algumas mulheres programam o dia do nascimento de seus bebes. Isso permite prepararem-se emocionalmente e mentalmente para o nascimento – o que pode ajudar a diminuir os sentimentos de decepção que algumas mães sentem em não poder terem um parto vaginal.


Os fatores decisivos para que o médico escolha uma cesárea devem ser:

  • O bebê não está encaixado, com os pés ou bumbum virados para o canal do nascimento, ou transversalmente, sendo que alguns bebês podem se virar antes de começar o trabalho de parto e vir ao mundo com parto vaginal utilizando-se o fórceps.
  • O bebê tiver certos problemas de formação (como por exemplo, espinha bífida)
  • A mãe tiver problemas com a placenta, como é o caso de “placenta prévia” (quando a placenta está demasiada baixa no útero).
  • A mãe tiver alguma condição médica que poderia complicar a própria vida ou do bebê com um nascimento vaginal (por exemplo HIV ou um caso ativo de herpes genital)
  • Muitos partos prévios.
  • A mãe já passou por alguma cirurgia no útero ou uma cesárea, sendo que muitas mulheres podem ter partos vaginais seguros depois de uma cesárea. Estes partos são conhecidos em inglês como “VBAC” vaginal birth after c-section.

Alguns partos por cesárea são emergências de última hora que realizam-se quando se apresentam complicações com a mãe e o bebê durante o parto vaginal. Um parto cesárea de emergência pode ocorrer quando:

  • O trabalho de parto não progride como deveria (e os medicamentos não estão surtindo efeito)
  • A placenta se descolou rapidamente da parede uterina
  • O cordão umbilical está comprimido (no qual pode afetar a fonte de oxigênio do bebê) ou entra no canal de nascimento antes que o bebê.
  • O bebê está atravessando stress fetal – seu ritmo cardíaco diminui ou aumenta muito.
  • A cabeça do bebê ou seu corpo são muito grandes para atravessar o canal do parto (o que é bastante raro).

Porém cada gravidez é diferente. Se seu obstetra recomendou um parto por cesárea e não for uma emergência, você pode pedir uma segunda opinião. Em qualquer caso, é válido que você escute a opinião dos médicos.

Como é o parto por cesárea?

Pensar em ter que ser operada pode preocupar muitas mulheres. Se o hospital permitir, um acompanhante estará ao seu lado. Antes de começar o processo, o anestesista conversará com você sobre suas opções.

Enquanto se prepara para o nascimento, você provavelmente observará:

  • Vários monitores ao seu redor para seu ritmo cardíaco, respiração e pressão arterial
  • Sua boca e nariz estarão cobertas com máscara de oxigênio ou um tubo em suas fossas nasais para proporcionar oxigênio.
  • Um cateter é inserido em sua vagina pela uretra
  • Soro injetado no braço ou mão
  • uma cortina de privacidade protegendo seu ventre

Depois da anestesia, o médico realizará uma incisão na pele do abdõmen – verticalmente (desde o umbigo ate onde começa os pelos púbicos) ou horizontalmente (poucos centímetros acima da linha dos pelos pubianos)

O médico irá atravessar sutilmente os músculos do abdõmen para chegar ao útero, onde realizará outra incisão nele. Esta incisão poderá ser vertical ou horizontal, mas normalmente as incisões são horizontais, pois cicatrizam mais rapidamente e tornam um VBAC mais viável.

Depois da incisão uterina, os médicos extraem o bebê. Então, ele succiona o nariz e a boca, e corta o cordão umbilical. Assim como em um parto vaginal você poderá ver seu bebê imediatamente. Logo então ele é entregue ã s enfermeiras, pediatras e outros médicos que cuidarão dele por alguns minutos, ou durante mais tempo se houver alguma preocupação com sua saúde.

Então, o obstetra remove a placenta de dentro do útero, sutura com pontos que se desfarão por si próprios e costura a incisão abdominal com pontos que são removidos geralmente sem dor, poucos dias após o parto.

O que você sentirá no parto?

Durante o parto, você não sentirá nenhuma dor, no máximo sentirá alguma pressão ou estiramentos.
Uma cortina estará colocada sobre seu abdõmen durante a cirurgia, porém segundos após o bebê ser extraído de seu ventre, ele será mostrado a você.

Quais os riscos?

Hoje em dia, as cesáreas são procedimentos seguros tanto para a mãe quanto para o bebê. Porém, como ocorre em qualquer tipo de operação, existem certos riscos que podem ser:

  • hemorragias (que pode até necessitar de transfusão sangüínea)
  • infecções (geralmente se receitam antibióticos para preveni-las)
  • lesões no intestino ou bexiga
  • reações a medicamentos
  • coágulos sangüíneos
  • morte (raramente)
  • possível dano ao bebê.

Certo tipo de anestesia local utilizada durante os partos por cesárea alcança o bebê, porém este efeito é muito menor do que se a mãe recebesse alguma anestesia geral (pois seda o bebê e a mãe). Os bebês que nascem por cesárea algumas vezes apresentam problemas respiratórios após o nascimento devido ao parto não ter potencializado a segregação do fluído de seus pulmões. Isto geralmente melhora por si só durante os primeiros dias após o nascimento.

Ter um parto por cesárea pode (ou não) afetar futuros partos e gestações. Muitas mulheres podem ter um nascimento vaginal sem problemas depois de um parto por cesárea, porém em alguns casos, os futuros nascimentos precisarão ser por cesárea também, especialmente se a incisão do útero tiver sido vertical ao invés da horizontal. Um parto por cesárea pode causar certos problemas com a placenta em futuras gestações.

Em caso de emergências nos partos por cesárea, os benefícios sempre serão maiores que os riscos, pois um parto por cesárea pode salvar sua vida e de seu bebê durante uma emergência.

Como me sentirei depois?

Tal como ocorre depois de qualquer cirurgia, geralmente há um pouco de dor e dificuldade depois de uma cesárea. O período de recuperação também é maior do que nos partos vaginais. As mulheres que recebem cesárea geralmente permanecem no hospital de 3 a 4 dias e necessitam ficar na cama por pelo menos 1 dia depois de dar à luz.

Imediatamente após, você poderá sentir coceiras, náusea e dor – são reações normais depois que passa a anestesia. Se você necessitou de anestesia geral após uma cesárea de emergência, poderá se sentir tonta, confusa, com frio, alarmada e até triste. Seu médico poderá receitar medicamentos para aliviar estes sintomas e a dor.

Durante os primeiros dias e semanas, você poderá sentir os seguintes sintomas:

  • cansaço
  • dor no lugar da incisão (o médico poderá receitar analgésicos que você poderá tomar mesmo amamentando seu bebê)
  • prisão de ventre e flatulência
  • dificuldades para se movimentar e carregar seu bebê

Depois de aproximadamente 6 a 8 semanas, o útero estará cicatrizado e você poderá restabelecer sua rotina. Ainda assim, você deverá evitar carregar ou levantar objetos pesados para não exercer pressão em sua incisão. E assim como no parto vaginal, você deve ter relações sexuais somente após 6 semanas depois do parto e com aprovação médica.

Caminhar com freqüência pode ajudar a aliviar dores e sintomas depois do parto por cesárea. Entre outros fatores, pode ajudar a prevenir coágulos de sangue e ativar os movimentos intestinais em seu ventre. Porém você não deve fazer esforços, peça ajuda a alguém para movimentar-se principalmente para subir ou descer escadas. Peça a amigos, vizinhos e familiares que dêem uma mão para preparar comida e cuidar da casa durante um tempo, especialmente se você tiver mais filhos.

Apesar de que amamentar o bebê no peito pode ser um pouco doloroso no princípio, porém você pode tentar se deitar de lado para amamentar, para evitar exercer pressão sobre seu abdõmen.

A recuperação

As cicatrizes da cesárea desaparecem com o tempo. Começarão diminuindo de tamanho até adquirir o tom natural de sua pele depois de semanas e meses do nascimento.

Fale com seu médico se você sentir

  • febre
  • sinais de infecção ao redor da incisão (inchaço, vermelhidão, calor ou pus)
  • dor repentina ao redor da incisão ou algum sintoma que aumente
  • corrimento vaginal com odor desagradável
  • sangramento vaginal intenso
  • dor nas pernas
  • dificuldade de respirar ou dor no peito
  • sentimentos de depressão

Emocionalmente, pode ser que você se sinta decepcionada, caso estivesse sonhando com um parto vaginal, ou se seu parto vaginal foi tão complicado a ponto de resultar numa cesárea. Porém lembre-se que um parto por cesárea não significa que o nascimento do seu filho seja menos especial, e com ela você põde ter em seus braços a criança que trouxe em seu ventre por tanto tempo!

Veja também: Vídeos de Parto Cesárea