Quando desconfiamos que estamos grávidas, começamos a procurar sintomas por todo lado. Aí ao apertar os seios saí um líquido esbranquiçado.

Ué, estou produzindo leite! Será gravidez?

Quando você “produz leite”,  significa que está com a prolactina elevada.

A prolactina é o hormônio que desencadeia a produção de leite e é produzida pela glândula pituitária que fica no cérebro.

Algumas mulheres possuem elevação dos níveis de prolactina mesmo sem nunca terem engravidado.

Ou seja, elas podem estar “produzindo leite” sem estarem grávidas!

Mas por que isso acontece?

Um desequilíbrio hormonal precisa ser investigado, são muitas causas possíveis.

Mas o stress é um grande motivador do aumento do nível de prolactina. Quando ficamos muito estressadas, o corpo reduz a produção de progesterona. Isso estimula produções de níveis altos de prolactina.

Mesmo se você tomasse progesterona pra compensar, mas seu corpo ainda produzisse cortisol que é o hormônio do stress, não iria ajudar muito.

Então, veja se você está precisando de um tempo pra você!

Mesmo assim, a progesterona pode propiciar um antídoto parcial aos níveis altos de cortisol e de prolactina.

Problemas causados pela prolactina elevada

A prolactina pode alterar a resposta sexual nas mulheres.  Isso quer dizer que ela causa alterações no ciclo menstrual e redução do desejo sexual.

Por isso que mulheres amamentando tem menos desejo sexual.

A produção de prolactina causa infertilidade, porque por desregular o ciclo menstrual, costuma impedir a mulher de ovular.

Mesmo as mulheres que conseguem ter um ciclo menstrual normal, inclusive tendo ovulação, a prolactina ajuda a impedir que o óvulo se amadureça corretamente, evitando a concepção.

No caso da fertilização acontecer, a prolactina causa má desenvolvimento do endométrio impedindo que o óvulo se fixe, causando então infertilidade.

Veja as causas da prolactina elevada:

Fisiológicas:

  • Gravidez
  • Estímulos hormonais
  • Stress
  • Amamentação
  • Exercícios em excesso
  • Sono
  • Período neonatal

Patológicas:

  • Medicação que estimule a secreção de prolactina: estrogênios, cimetidina, tricíclicos, diazepan
  • Medicação que bloqueie os receptores dopaminérgicos: clorpromazina, metoclopramida, sulpiride, domperidona, haloperidol
  • Medicação que seja deplectores de dopamina: metildopa, reserpina

Observe que alguns desses medicamentos são medicamentos simples para enjôo e má digestão que costumamos comprar sem receita médica!

  • Prolactinomas (tumor na glândula hipófise): Esse tumor é benigno, não causa câncer, mas ele pressiona a glândula causando um funcionamento anormal
  • Insuficiência renal: redução da depuração.
  • Cirrose hepática: mais comum na cirrose alcóolica.
  • Hipotireoidismo primário: ocorre aumento importante e prolongado de TRH com aumento da hipófise que pode ser confundido com prolactinoma.
  • Hiperprolactinemia neurogênica:Ativação da produção de leite devido ao estímulo das mamas (um bebê mamar) ou devido a alguma lesão mamária
  • Síndrome dos ovários policísticos: aumento da prolactina seria decorrente da elevação do estrogênio de forma irregular.

O tratamento é fácil com ajuda de medicamentos. Consulte seu médico.