Desde que você ficou grávida, os presentes não são mais pra você, as perguntas são sobre o bebê… você ficou em segundo plano.

perda de identidadePerder a identidade no pós parto é algo muito comum e difícil de enfrentar.

Esperamos que quando o bebê nasça, aquele amor instantâneo e maternal desperte do nada. Mas não é assim que acontece. A primeira sensação é de um peso enorme de responsabilidade, e você percebe que nunca mais nada será igual.

E assim, nasce uma identidade nova, a de ser mãe.

Começa um conflito de seus interesses pessoais, com suas responsabilidades de cuidar, limpar, amamentar… e aos poucos, vem o instinto e o amor. Nesse primeiro período, as necessidades básicas pessoais são deixadas de lado. Um simples banho é esquecido, pois não existe mais “você”.

Algumas mães neste período tem depressão pós parto ou babyblues, que é uma junção da reviravolta hormonal e essa sensação de perda, a perda do seu ser individual.

Houveram momentos em que eu sentava exausta após um dia sofrido com o bebê pequeno e ficava só parada, respirando, criando forças pra levantar e voltar para aquela rotina diária cansativa e sem sono. E pensava: Só depende de mim, eu preciso ter forças.

Neste período é sempre bom uma ajuda de alguém familiar ou companheiro, realmente precisamos nos primeiros meses.

E também dá-se início ao “que comecem os palpites desnecessários”:

  • Como ele dorme?

  • O que você come?

  • Ele fica acordado durante a noite/dia?

E se você já está bitolada pensando no “que eu estou fazendo de errado que não está dando certo?” Aí tudo piora, e na nossa cabeça já resulta como 1+1 = eu sou péssima mãe!! Merda de mãe!

Nesse momento, inicia a principal auto-cobrança da mulher: a perfeição, ser perfeita mãe, ser perfeita esposa, se ele não para de chorar é porque você não está fazendo direito. RELAXA!

A principal lição que você irá aprender é que: nem tudo você pode controlar!!

Aos poucos, o corpo se adapta a essa rotina, o bebê também se adapta ao ambiente, tudo entra em um ritmo calculado e você começa a desfrutar daquele novo ser, totalmente dependente de você.

As vezes, o bebê só quer a mãe. Não adianta achar que ninguém te ajuda o suficiente, com a adaptação só a mãe descobre a forma de segurar que o bebê gosta, que choro é aquele e assim, as coisas fluem.. FINALMENTE.

E quando ele sorrir pra você querida, seu mundo será outro, sua vida será outra, é mágico, é lindo… é de perder o ar.

Com o passar do tempo, não digo nos primeiros meses, mas anos, pense em anos,,, os papéis estarão bem definidos de mãe, mulher, profissional, esposa e amante. Portanto, não se desespere. Deixe fluir naturalmente, aceite cada sensação, ultrapasse ela, novas etapas irão surgir e a cada uma você se torna um Ser melhor. E com tudo isso, sua visão de muitas coisas irá mudar.

Espero que tenha ajudado.

Em breve mais posts verdadeiros e realistas.. beijocas

Anie