Mariana Reese Sifrit, de dezoito dias, faleceu depois de contrair meningite HSV-1.

A mãe Nicole Sifrit escreveu no Facebook: "Ela agora não está mais sofrendo e está com o Senhor. Obrigado a todos que seguiram sua jornada e nos apoiaram através disso".

"Nos seus 18 dias de vida, ela teve um enorme impacto no mundo e esperamos com a História de Mariana que salvemos a vida de muitos recém-nascidos. DESCANSE EM PAZ. Doce anjo ", acrescentou Nicole.

O casal, do West Des Moines, Iowa, EUA, se casou seis dias depois do nascimento do bebê Mariana. Dentro de apenas duas horas da cerimônia, Mariana pararia de comer e não iria mais acordar.

"Ela deixou de respirar, e todos os seus órgãos apenas começaram a falhar", disse Nicole Sifrit.

O HSV-1 é o vírus que causa feridas e raramente leva a meningite viral, de acordo com os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

As pessoas contaminadas podem transmitir o vírus mesmo sem ter alguma ferida aberta. "É muito comum pegar o vírus, mas muito raramente se desenvolve em meningite", disse a CNN a Dra. Tanya Altmann, pediatra da revista Calabasas Pediatria na Califórnia.

"Os dois primeiros meses após o nascimento de uma criança são muito críticos, pois um vírus pode se espalhar rapidamente e causar doenças graves em recém-nascidos", acrescentou.

De acordo com o CDC, os primeiros sintomas do vírus incluem sonolência, náuseas, febre, falta de apetite e dores de cabeça. Bebês mais jovens que um mês e aqueles com sistemas imunológicos mais fracos são mais suscetíveis à doença.

Nicole alerta: "Não deixe que as pessoas beijem seu bebê e certifique-se de perguntar se a pessoa está doente antes de entregar seu bebê no colo".

O casal alertou os colegas sobre as mídias sociais publicando status com o hashtag #thefightformariana (a luta por mariana).

Meningite e encefalite também podem ser causados por bactérias, fungos ou outros tipos de germes, de acordo com a organização de saúde John Hopkins Medicine.

A neuropediatra Régia Gasparetto explica que o caso deveria ter sido tratado como uma encefalite, que acontece quando a inflamação se dá em todo o encéfalo - e não somente na meninge. Ela também afirmou que este tipo de situação é grave, especialmente em bebês, e que ocorre com frequência.

"É um vírus que pode levar à morte, sim. Provavelmente ela ainda não havia recebido todas as vacinas, o que facilitou ainda mais a transmissão. Então, qualquer contato, não precisa nem ter sido um beijo precisamente, pode ter acarretado isso", disse.

A neuropediatra disse que pode não ter sido exatamente o beijo. Há a possibilidade de a criança ter respirado próximo de alguém que estava doente. "Tudo acabou sendo favorável para que acontecesse um desfecho trágico", completou".